A música me preencheu

"No final de 2017, irei me formar e meus projetos por enquanto são segredos, mas vou fazer o máximo para mudar a forma do ensino da música no Brasil."

Adriano José, 26, mais conhecido como Driuzão, é de Vitória da Conquista, Bahia. É estudante de Música (Licenciatura) no polo de Vitória e tem investindo seu tempo no entretenimento e na carreira musical. Abaixo, conheça um pouco da história de Driuzão:

"Desde criança gostava de fazer brincadeiras e aos nove anos tive que passar um mês no hospital por causa de uma cirurgia complicada no apêndice. Na época, como não podia me levantar a única coisa que me divertia era um walkman com uma fita que possuía algumas músicas internacionais, entre elas " 18 till i die" do Bryan Adams. E como ainda era criança e não entendia inglês, escutava a música várias vezes durante o período de internação, pois no meu entendimento aquela música me chamava. Logo na primeira frase cantava: 'Ei Adriano' quando a frase real era 'I wanna be young'. Esse foi meu primeiro contato com a música.

Sou de família pobre e não vou usar a palavra humilde, pois humildade não é situação financeira (risos), por isso, tive que começar a trabalhar cedo. Durante a adolescência trabalhei de algum jeito para conseguir algum dinheiro, montando som, vendendo salgados, entregando jornal o que aparecia eu prestava o serviço, pois a maior pobreza de uma pessoa é ganhar a vida de forma injusta e com todos esses contatos de trabalhos que prestava, eu percebia desde mais cedo que a vida de uma pessoa é pressionada por duas perguntas básicas 'Qual carreira eu devo seguir?' e 'Como eu irei sobreviver?'.

Após concluir o ensino médio, essas perguntas se tornaram bem mais frequentes em minha vida.  Devido as desavenças da vida, perdi um pouco o foco. E a cada ano fui aprovado em alguns cursos: Ciências da Computação, Administração, Agronomia e Engenharia Civil e Letras, e comecei a cursar até em alguns destes, mas eu sabia que era algo que não era o meu lugar. No final de 2014 quando estava no meu ultimo emprego no curso de Engenharia, não conseguia pagar a faculdade nem mesmo com o financiamento do governo. Abandonei o curso e o emprego, por causa da falta de satisfação pessoal.  Até que alguns meses depois apareceu a oportunidade do PROUNI e fui procurar algum curso, pois não queria ficar sem estudar.

Lembro como se fosse agora: Abri o site, coloquei a opção procurar por curso e escrevi a palavra música, quando apareceu o nome da minha cidade com a opção do curso de licenciatura no Claretiano - Centro Universitário, não tive dúvidas. Eram apenas duas vagas. Fiz a inscrição e torci muito. Fui convocado na segunda chamada com uma bolsa de 100% e finalmente comecei minha carreira no curso que me preencheu.

No final de 2017, irei me formar e meus projetos por enquanto são segredos, mas vou fazer o máximo para mudar a forma do ensino da música no Brasil e ser tão marcante quanto Villa-Lobos, mas por enquanto sou apenas um estudante muito satisfeito.

Não posso deixar de citar um fato importante que aconteceu esse no primeiro semestre de 2016.  No dia 4 de junho, estava eu ausentar da cidade devido uma oportunidade de serviço e esse dia coincidiu com a data de todas as provas do semestre. Sendo aluno do PROUNI não poderia ficar em dependência em mais de 25% das matérias que estudo, ou seja, eu iria perder em tudo. Não tendo condições financeiras para pagar por uma segunda chamada, o setor administrativo me isentou dessa tarifa; consegui fazer as provas e ser aprovado.  Deixo aqui meu mais sincero: muito obrigado pela oportunidade!"

Conheça também outras histórias de nossos ex-alunos

Conheça todas as histórias